quarta-feira, 31 de maio de 2017

Governo do Estado juntamente com a FAMEM, realizam grande encontro com vereadores de todo o estado do Maranhão



Esse foi um grande ato político realizado na capital São Luiz, onde reuniu lideranças políticas vereadores(as) e presidentes das Câmaras de todo o estado

Foram discutidos assuntos estratégicos sobre os planos de governo municipais e as parcerias entre o legislativo e o executivo e a sua inclusão com a sociedade. Também foi abordado o assunto de responsabilidade fiscal e administrativa de cada poder. O papel os deveres e responsabilidade e as funções que cada um exerce.

No encontro o presidente da FAMEM falou e em seu discurso disse que as parcerias entre governo do estado, municípios e o legislativo são fundamentais

E que é preciso uma boa relação entre os poderes para encontrar soluções e achar saída para os problemas e obter ótimos resultados em uma administração, isto é, fazer uma grande administração entre os poderes, pautada e voltada para o povo.

O encontro foi realizado em parceria com o governo do estado FAMEM e municípios.










Delegado do inquérito sobre morte de Teori Zavascki é assassinado em SC




jose lucena/Futura Press



Foi morto nesta madrugada em Florianópolis o delegado envolvido no inquérito pela Polícia federal para investigar a morte do ministro do STF, Teori Zavascki, morto em janeiro num acidente de avião em Paraty-RJ. Adriano Antonio Soares estava com outro colega, Elias Escobar quando teriam sido mortos após um desentendimento em um bar. As informações são “Zero Hora”.

Um terceiro homem foi atingido no tiroteio e está internado.

Em nota, a Polícia Federal lamentou a morte dos dois delegados, mas ressaltou que Adriano não preside mais o inquérito, que corre em Brasília, mas que, sim, foi o responsável pela abertura do processo e encarregado das primeiras medidas antes do inquérito ir para o Distrito Federal. Contudo, segundo apuração do portal UOL, Adriano era sim quem comandava as investigações.

Teori Zavascki era o juiz do Supremo Tribunal Federal na relatoria da Operação Lava Jato e o principal nome nas decisões do STF que envolviam envolvidos nas investigações da Polícia Federal e tinham foro privilegiado. Ele morreu num acidente de avião quando voltava de um fim de semana em Paraty no hotel de um amigo. O filho do juiz, em mais de uma vez, declarou ter dúvidas sobre se seu pai poderia ou não ter sido morto por conta de seu trabalho com a Lava Jato.

Relembre como morreu e o que fazia Teori Zavascki

Adriano era o chefe da Polícia Federal em Angra dos Reis desde 2009 e era delegado da PF desde 1999. Junto com Adriano estava Elias Escobar, que chefiou a PF em Niterói e Volta Redonda e investigou envolvimento de policiais civis com o tráfico de drogas e ação de milícias.

LEMBRE O LOCAL DO ACIDENTE DE TEORI:


De acordo com informações da Polícia Militar, uma terceira pessoa também foi baleada. A ocorrência foi registrada por volta das 2h.

Os policiais estavam em uma casa noturna na rua Fúlvio Aducci, no bairro Estreito quando teria ocorrido um desentendimento entre frequentadores e tiroteio. Eles não estavam em serviço.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil, com apoio da Polícia Federal.

Segundo a PF, as vítimas estavam em Florianópolis participando de um curso.

A nota oficial da PF:

A Polícia Federal lamenta a morte de dois delegados, ocorrida na madrugada de hoje (31/05) em Florianópolis/SC. Os dois atuavam em Angra dos Reis e Niterói, respectivamente, e estavam na cidade participando de uma capacitação interna.

O falecimento dos policiais decorreu de uma troca de tiros em um estabelecimento na capital catarinense. Neste momento de imensa tristeza, a Polícia Federal expressa suas condolências e solidariedade aos familiares e amigos enlutados.

Sobre informações que relacionam um dos policiais mortos à investigação do acidente aéreo que vitimou o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, a PF esclarece que o inquérito que apura o caso encontra-se em Brasília/DF, presidido por outro delegado, e apenas foi registrado em Angra dos Reis, local do fato.

(Com informações do G1).

Passageiros da R.A vivem momentos de pânico durante assalto na reserva indígena

O ônibus da empresa R.A que faz linhas de Imperatriz para Teresina, foi assaltado na reserva indígena Cana Brava na BR 226 entre Grajaú e Barra do Corda. O ônibus passou por Grajaú por volta das 22h23min da noite de terça-feira (30), quando chegou à reserva indígena foi abordado.



Os passageiros passaram por momentos constrangedor com os homens armados dentro do carro, segundo informações de um motorista que estava em outro carro, os passageiros do ônibus tiveram que ficar descalços porque os assaltantes levaram até seus calçados.

O motorista do ônibus foi obrigado colocar o ônibus dentro do matagal, para que o assalto ocorre mais tranquilo. Os demais veículos que passaram na BR durante a madrugada de quarta-feira (31), tiveram que trafegar com apoio do grupamento da policia da cidade de Barra do Corda, que foi acionada.


Enquanto isso o posto da PRF é nada mais nada menos, que um sonho de Alice no País das Maravilhas, onde os personagens são os palhaços chamados políticos.

Enquanto isso o posto da PRF é nada mais nada menos, que um sonho de Alice no País das Maravilhas, onde os personagens são os palhaços chamados políticos.

Influência de Sarney sobrevive no Senado Federal


O Globo
Apesar de aposentado, ex-senador ainda controla grupo de parlamentares
 

POR CRISTIANE JUNGBLUT
O ex-senador senador José Sarney – Givaldo Barbosa / Agência O Globo 18/12/2014 


BRASÍLIA – O ex-presidente José Sarney continua sendo líder de um grupo importante de senadores e caciques do Congresso. Mesmo com 87 anos, Sarney mantém a agenda ativa e recebe em sua residência vários senadores ao longo da semana. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE), costuma passar na casa de Sarney para uma conversa, assim como o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e o presidente da sigla, senador Romero Jucá (RR).

O grupo de Sarney nunca deixou o comando do Senado. Como a casa do ex-presidente fica a poucos metros das residências dos presidentes de Câmara e Senado, a romaria é facilitada. As visitas não são só de parlamentares do PMDB.

No último sábado, Sarney saiu das sombras e foi ao Palácio do Jaburu se reunir com o presidente Michel Temer. Ele permaneceu mais de duas horas com Temer, a quem teria dito para ficar firme. A aliados, Sarney disse que Temer não renunciará e repetiu a avaliação feita por integrantes do Palácio do Planalto de que o processo da chapa Dilma-Temer poderá levar meses.

No sábado, Sarney deixou o Jaburu já de noite, com cumprimentos de deferência de Moreira Franco, outro peemedebista da cúpula.

— O ex-presidente Sarney está tranquilo e tem reiterado que Temer não renunciará — disse um senador.

Sarney tem atraído outros parlamentares fora de seu círculo habitual, que querem ouvir sua experiência em momentos de crise. Afinal, ele travou uma batalha no Congresso para impedir que seu mandato fosse reduzido para quatro anos, e acabou ganhando a queda de braço e ficando entre 1984 e 1989 no Planalto. Durante o período, foi do sucesso ao fracasso com o plano econômico que levou seu nome.


Segundo senadores que estiveram com Sarney, ele transmite tranquilidade sobre a situação de Temer. Alguns acreditam que o encontro do peemedebista com o ex-presidente Fernando Henrique, em São Paulo, teve o “dedo de Sarney”. Ao PSDB, Temer repetiu que não sai porque isso seria confissão de culpa.

— Sarney é um homem de muito equilíbrio — disse Renan.Sarney e o grupo do PMDB têm argumentado que um presidente eleito por via indireta também não teria credibilidade junto à população, não acabando com a crise.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Justiça condena ex-prefeitos de Humberto de Campos e Santo Amaro do Maranhão



Sentenças assinadas pelo juiz Raphael de Jesus Serra Ribeiro Amorim, titular da comarca de Humberto de Campos, condenam os ex-prefeitos do município e de Santo Amaro do Maranhão (termo), respectivamente Raimundo Nonato dos Santos (Humberto de Campos), Francisco Lisboa da Silva e Manoel Jaime Rodrigues da Cruz (Santo Amaro) por atos de improbidade administrativa.

Entre as suspensões impostas ao ex-gestor Raimundo Nonato, a suspensão dos direitos políticos por 03 (três) anos; pagamento de multa civil de 25 (vinte e cinco) vezes o valor da remuneração percebida pelo requerido no cargo de prefeito do município de Humberto de Campos; proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios também pelo prazo de 03 (três) anos.

Já o ex-prefeito de Santo Amaro Francisco Lisboa teve, entre as condenações determinadas na sentença, a suspensão dos direitos políticos por 06 (seis) anos; ressarcimento integral do dano causado ao erário no montante de R$ R$ 89.359,54 (oitenta e nove mil, trezentos e cinquenta e nove reais e cinquenta centavos); pagamento de multa civil de mesmo valor (R$ 89.359,54) e proibição de contratar com o Poder Público ou receber incentivos ou benefícios fiscais por 05 (cinco) anos. A indisponibilidade e bloqueio dos bens do ex-gestor até o limite de R$ 89.359,54 também é determinada na sentença.

Também ex-prefeito de Santo Amaro, Manoel Jaime foi condenado à suspensão dos direitos políticos por 03 (três) anos e pagamento de multa civil de 10 (dez) vezes o valor da remuneração recebida pelo ex-prefeito Manoel Jaime quando da gestão à frente do município, bem como proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de 03 (três) anos. Cabe ainda ao ex-gestor o ressarcimento integral do dano ao erário no valor de R$ 150 mil (cento e cinquenta mil reais).

Improbidade administrativa – As sentenças do juiz atendem a ações de improbidade administrativa movidas por Ministério Público do Maranhão (Raimundo Nonato e Francisco Lisboa) e pelo município de Santo Amaro (Manoel Jaime).
Na ação em desfavor de Raimundo Nonato, a alegação de que o ex-prefeito teria negado informações e documentos solicitados pela então vereadora Gardênia Saboia. Quanto a Francisco Lisboa, o autor da ação aponta para a rejeição das contas referentes ao exercício de 2008 por parte do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão.Já a ação em desfavor do ex-prefeito Manoel Jaime, o Município de Santo Amaro do Maranhão tem por objeto o recebimento, por parte do ex-gestor, do valor de R$ 100 mil (cem mil reais) da Secretaria de Estado de Infraestrutura, através de convênio (Convênio nº 196/98), para execução de serviços de conservação e manutenção de estradas vicinais no trecho Santo Amaro/ Buriti Grosso. De acordo com a ação, “em virtude de irregularidades o município estaria inadimplente perante o Estado do Maranhão”.

Presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Humberto Coutinho, recebe alta

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Humberto Coutinho (PDT), recebeu alta do hospital Unimed, nesta segunda-feira (29), em Teresina, após recuperar-se de cirurgia realizada pelo médico José Rodrigues, no dia 14 de.maio, para desobstrução intestinal, ocasionada por aderências de cirurgias anteriores.


Nos próximos 15 dias, Dr. Humberto permanecerá em Caxias, com seus familiares, seguindo orientação médica.

De acordo com seu amigo e médico Dr José Rodrigues, Humberto obteve ótima recuperação no pós-operatório.

Doutor Humberto e Dra Cleide Coutinho agradecem aos amigos que o visitaram e fizeram correntes de oração desejando o pleno restabelecimento da saúde do deputado.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Rapaz desenterra irmão e leva caixão para passear de bicicleta

Segundo um dos responsáveis pela administração do cemitério, o local é fechado 18 horas e o vigilante vai embora


Segundo um dos responsáveis pela administração do cemitério, o local é fechado 18 horas e o vigilante vai embora. A informação é de que o jovem pulou o muro e conseguiu tirar a tampa do túmulo sozinho. Ainda segundo o responsável, a cidade é muito tranquila e ninguém imaginaria que algo assim aconteceria.


A Polícia Militar foi acionada por volta das 19 horas e abordou o rapaz. Para a polícia, o jovem disse que sonhou com o irmão pedindo para andar de bicicleta, esperou o cemitério fechar, invadiu e abriu o tumulo. Retirou o caixão do jazigo e iniciou o passeio.


Segundo os policiais, o rapaz parecia estar muito transtornado e chegou a ser algemado. Ele ainda relatou que só fez isso porque sentia saudades do irmão. Moradores ainda relataram que o jovem vinha apresentando distúrbios psíquicos desde que o irmão faleceu.


O rapaz foi preso em flagrante por vilipêndio de cadáver. Ele pode pegar de um a três anos de detenção, além de multa. Na mesma noite o caixão foi colocado no túmulo novamente pela funerária. Novas medidas de reforço da segurança estão sendo providenciadas no cemitério.



Secretário Antônio dos Reis comemora passagem de aniversário.


Antônio dos Reis, uma pessoa querida e estimada por todos os tuntuenses. Sua importância histórica e atual dentro do município de Tuntum se confirma pelo belo trabalho que sempre desenvolveu. Talvez não seja à toa que o mesmo faz jus ao sobrenome que carrega consigo: dos reis.

De origem simples e humilde, filho da cidade de Passagem Franca, chegou na localidade tuntuense aos oito (8) anos de idade. Hoje, 29 de maio de 2017, faz 47 anos de vida. 



Formado em pedagogia, foi secretário de educação em duas gestões no município: uma foi a do ex-prefeito Chico Cunha (de 1 de maio de 2009 a 31 dezembro de 2012); a outra, desde a volta do atual prefeito, Cleomar Tema à prefeitura, assumindo, o secretário, no ano de 2013 e ficando até 31 de dezembro de 2016. Hoje continua à frente da administração, assumindo o papel de controlador do município de Tuntum. 


Sem dúvidas, uma pessoa dotada de grande capacidade intelectual, conhecedor dos trâmites administrativo e educacional.








Cleomar Tema recebe homenagem do Governo do Estado

O prefeito de Tuntum e presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, Cleomar Tema, participou, na última sexta-feira (26), de uma homenagem promovida pelo governo do estado em alusão aos 106 anos de criação do Gabinete Militar.






Na oportunidade, o presidente da entidade municipalista recebeu do governador Flávio Dino a Medalha Governador Luis Domingues, entregue à várias personalidades maranhenses civis e militares que se destacaram pela prática de ações meritórias e por serviços relevantes prestados à causa da segurança pública estadual.


A entrega da honraria ocorreu na Casa Civil e contou com as participações de políticos, militares e representantes da sociedade civil.


Flávio Dino destacou o trabalho que o presidente da FAMEM vem realizando nas cidades maranhenses.


“São serviços relevantes aos munícipes que a Federação tem feito, principalmente na segurança pública, e precisamos dessa parceria diretamente com os prefeitos, porque são eles que nos dão apoio”, destacou o governador.


Tema agradeceu a honraria e afirmou que continuará trabalhando com o objetivo de fortalecer o municipalismo no Maranhão, beneficiando as cidades com ações parceiras com o governo estadual, por exemplo.

sarney se encontra com temer

O ex-senador José Sarney foi chamado novamente hoje no período da tarde para conversar com o presidente Michel Temer. O encontro foi no Palácio do Jaburu e aconteceu somente entre eles dois.



 Sarney tem sido o conselheiro dos passos que Temer deve tomar neste período de turbulência e um dos defensores da sua permanência até quando não tiver mais forças e apoio político para resistir.
Foi dele a ideia de se reunir com os ex-presidentes Lula e FHC e buscar uma saída política para o momento de crise que atravessa o pais e notadamente com o desfecho que envolve o nome de Michel Temer.
Enquanto no Maranhão o governador Flávio Dino fica pedindo como saída para a crise política uma reunião entre os ex-presidente Lula e FHC, o encontro já aconteceu com Sarney, que foi escalado para negociar com Temer todos os acordos que possam resultar da permanência ou na saída do atual presidente.
Antes do encontro com Sarney, conforme divulgou  o jornal O Globo, Temer almoçou com os ministros do PSDB.

Em nota, associação diz desconhecer qualquer proposta do novo ministro para a pasta


POR LETICIA FERNANDES

Entrevista com o então ministro da Transparência Fiscalização e Controle da CGU – Jorge William / O Globo/28-9-2016
BRASÍLIA – A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) disse, neste domingo, ver com preocupação a escolha de Torquato Jardim para o Ministério da Justiça. Em nota divulgada pelo presidente da associação, Carlos Eduardo Sobral, a ADPF afirmou que os delegados foram “surpreendidos” pela notícia da troca de ministros, já que “desconhecem qualquer proposta de Torquato Jardim para a pasta”.
Jardim, que até este domingo comandava o Ministério da Transparência, substituiu o peemedebista Osmar Serraglio no comando da pasta.
Sobral admite, na nota divulgada, que mudanças no comando da Justiça geram “preocupação e incerteza sobre a possibilidade de interferências no trabalho realizado pela Polícia Federal”. Para proteger o trabalho da Polícia Federal, os delegados pedem que seja aprovada com urgência a PEC que garante a autonomia administrativa e financeira da PF.
Outro pleito dos delegados é que seja instituído mandato para o diretor geral da Polícia Federal, evitando assim que mudanças de governo interfiram politicamente na instituição. O diretor geral da PF hoje é Leandro Daiello.
Leia, abaixo, a íntegra da nota:
“A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), vem a público demonstrar preocupação com a notícia da substituição, neste domingo, dia 28, do Ministro Osmar Serraglio pelo Ministro Torquato Jardim para ocupar o cargo de ministro da Justiça.
Os Delegados de Policia Federal foram surpreendidos com a notícia da substituição, até mesmo porque desconhecem qualquer proposta de Torquato Jardim para a pasta. É natural que qualquer mudança no comando do Ministério da Justiça gera preocupação e incerteza sobre a possibilidade de interferências no trabalho realizado pela Polícia Federal.
Para resolver esta situação e evitar dúvidas, é fundamental que seja logo aprovada, no Congresso Nacional, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 412/2009, que garante a autonomia funcional, administrativa e orçamentária à Polícia Federal.
Além da autonomia, também é essencial que seja instituído o mandato para diretor geral da PF, de modo que mudanças de governo ou de governantes não reflitam em interferências políticas, cortes de recursos e de investimentos que prejudiquem as ações da Polícia Federal”.
*Carlos Eduardo Sobral
Presidente da Associação Nacional dos Delegados de Policia Federal – ADPF*

domingo, 28 de maio de 2017

O prefeito de Tuntum e presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão – FAMEM, Cleomar Tema, foi homenageado, no último dia 22, em Timon, com o diploma de honra ao mérito, outorgado pelo procurador-geral de Justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho, durante mais uma etapa do projeto Encontros Regionais de Gestão Estratégica: MP Contra a Corrupção, uma iniciativa da Procuradoria Geral de Justiça do Maranhão.



Participaram da etapa do projeto em Timon mais de 20 prefeitos, dentre eles Luciano Leitoa; o procurador-geral de Justiça, Luiz Gonzaga Martins; o corregedor-geral do MP, Eduardo Nicolau; o presidente do TCE do Piauí, conselheiro Olavo de Carvalho; o chefe do departamento jurídico da FAMEM, Ilan Kelson; deputados estaduais; dentre outras autoridades.



Os Encontros Regionais de Gestão Estratégica são resultados das ações desenvolvidas no Planejamento Estratégico do Ministério Público do Maranhão, onde a principal meta é o combate aos atos de desvio e mau uso do dinheiro público.



O DIPLOMA

“ O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Maranhão, no uso de sua atribuição legal, e com base no ato nº 239,-2017/PGJ/MA, por ocasião do 50º ano de criação do cargo de Procurador –Geral de Justiça, marco inicial de sua autonomia, confere o presente diploma à FAMEM, na pessoa do presidente Cleomar Tema, por sua atuação institucional, contribuindo para o fortalecimento do Ministério Público maranhense, e na promoção da cidadania”.

Juliana Araújo: a nova voz do sertanejo

Cantora Juliana Araújo
Cantora Juliana Araújo
A cantora estreia nos palcos de São Luís com uma nova roupagem e promete surpreender no próximo sábado, dia 03 de junho na Garden´s Pub.                                                      
Influenciada por ícones da nova geração da música sertaneja, como Marília Mendonça, Mayara e Maraisa, Nayara Azevedo e até a rainha Roberta Miranda, a jovem Juliana Araújo começa a impressionar por onde passa com uma voz marcante, simpatia e muita desenvoltura no palco.

No Carnaval, os interiores do Maranhão, conheceram toda a mistura da musa que promete agitar pela primeira vez a Casa de shows, Garden´s Pub, dia 03 de junho, sábado, em São Luís.

Com apoio de compositores consagrados como a cantora Paula Mattos e Renato Moreno, criadores de composições que marcantes nas vozes de artistas renomados, como Marília Mendonça, Wesley Safadão, Avine Vinny, Mara Pavanelly, entre outros.

Após almoçar com tucanos, Temer debate crise política com Sarney

Acompanhando apenas por seu motorista, Sarney entrou no Palácio do Jaburu, residência oficial de Temer, por volta das 16h30. A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto não informou a pauta do encontro dos peemedebistas.


O ministro da secretaria-geral da Presidência, Moreira Franco (PMDB-RJ), chegou para o encontro por volta das 18h e participou dos últimos 30 minutos da reunião.


Sarney saiu do Jaburu por volta das 19h. Após a saída do ex-presidente, Temer continuou reunido com Moreira Franco, que é um de seus auxiliares mais próximos.
SAÍDA NEGOCIADA?


Sarney vem defendendo nos bastidores que Temer opte por uma “saída negociada”, conforme publicou a coluna “Painel”, da “Folha”. A informação foi confirmada pelo UOL junto a interlocutores do ex-presidente.


Um dos focos da conversa entre Temer e Sarney, segundo apurou a reportagem, é a permanência do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) como líder do partido no Senado. A bancada do PMDB marcou para as 15h de terça-feira (30) uma reunião para discutir a situação de Renan, que têm feito duras críticas a Temer e defende a renúncia do presidente.


Tirar Renan da liderança seria um tiro no pé do governo, na opinião de Sarney, segundo fontes ouvidas pela reportagem. O Palácio do Planalto, por sua vez, sabe dos riscos de uma “ruptura traumática” com Renan, apurou o UOL.

Agressões sofridas por mãe de 84 anos, foram denunciadas à polícia pelo filho do agressor

Partiu de Roberto Elísio Coutinho de Freitas Filho a iniciativa de denunciar o próprio pai que vinha agredindo verbal e fisicamente a avó dele, conforme vídeos viralizados nas redes sociais. Por essa razão, o pai, bacharel em Direito, 51 anos, encontra-se preso em Pedrinhas desde sexta-feira à tarde.
O Bacharel teve as cenas de agressões filmadas pela esposa e entregues ao filho dele que procurou a Delegacia do Idoso para denunciar o pai. O fato chegou ao conhecimento do Ministério Público e o promotor Cutrim pediu para a 8ª Vara Criminal a prisão do agressor, tendo sido acatada pela juiza Oriona Gomes.


Além de torturar a mãe, o filho desalmado esbanjava dinheiro e mordomia com a pensão e a aposentadoria de dona Joseth Martins de Freitas, que dão um total de R$ 38 mil mensais. Doente e sem raciocínio lógico, a mãe deixava o cartão bancário em mãos do filho agressor, que chegou a contrair diversos empréstimos.


Agora, ainda que seja liberado da cadeia nos próximos dias ou meses, o agressor estará proibido de movimentar a conta da mãe dele.

Prefeito de Caxias, Fábio Gentil, prestigia posse do novo comandante do 2º BPM, Márcio Silva

Prefeito de Caxias, Fábio Gentil, prestigia posse do novo comandante do 2º BPM, Márcio Silva
Na última quinta-feira (25/05), o 2º BPM realizou uma solenidade de passagem de comando. Após trabalho desenvolvido no município de Caxias-MA, deixou o comando o Cel. Ruy, e assumiu o Tenente Cel Márcio Silva, que atuava como comandante da Segurança Comunitária em São Luís – MA, capital do Estado. Diversas autoridades municipais, o Prefeito de Caxias Fábio Gentil e prefeitos da região, além de secretários municipais, autoridades civis, militares e judiciárias compareceram à solenidade para prestigiar a investidura do novo comandante do cargo.“Estivemos prestigiando esta passagem de comando, dando para ele a garantia da necessidade da parceria do poder público municipal com o poder público estadual do Maranhão. Só através dessa parceria que envolve a sociedade de Caxias-MA é que a gente pode coibir, diminuir e porque não dizer, acabar com todos os crimes e assaltos que acontecem em nosso município. Nós sabemos que a segurança pública é competência do governo do Estado, mas também é um dever nosso enquanto cidadãos. A Prefeitura Municipal não pode ficar distante, viemos aqui prestar a nossa solidariedade e tranquilidade, e colocar o município a disposição da Polícia Militar para que a gente possa dar segurança para à sociedade caxiense dentro daquilo que pudermos apresentar”, lembrou Fábio Gentil, Prefeito de Caxias-MA.

sábado, 27 de maio de 2017

Boatos: homem que agrediu a mãe não foi espancado e continua em Pedrinhas

Não passam de boatos informações falsas de que o bacharel em Direito, Roberto Elísio Coutinho de Freitas, tenha sido torturado e espancado por outros presos na penitenciária de Pedrinhas. Ele continua no Centro de Triagem e numa cela isolada por possuir formação universitária.
Desde que ele foi preso ontem à tarde por agressões verbais e físicas à sua própria mãe, Joseth Coutinho Martins de Freitas, uma idosa de mais de 80 anos, e levado para Pedrinhas, que o clima é agitado naquele presídio.
O blog foi informado que muitos presos estão querendo conhecer o agressor e ontem à noite foram ouvidos gritos de ódio em relação ao novo detento. As celas ainda estão agitadas.
Já existe informações de que o bacharel em Direito pode ser transferido por todo o dia de hoje para uma cadeia no Olho D`Água para evitar tumultos ou consequências mais graves.
Luis Cardoso

Muçulmanos já estão em São Luís e parada de ônibus quase fica vazia

Depois de sair da Baixada maranhense, onde passou alguns dias em várias cidades, um grupo de muçulmanos desembarcou em São Luís. Os primeiros foram visto numa parada de ônibus ao lado da Churrascaria Querência dos Pampas. Foi o suficiente para um grupo de pessoas se afastar e alguns dois peladinhos ficarem no local. Eles aproveitarem para pregar a religião deles.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Homem é flagrado agredindo a própria mãe em SL

Um vídeo, que começou a circular na noite dessa quinta-feira (25), mostra o bacharel em direito Roberto Elísio espancando a mãe, a professora aposentada da UFMA Josete Coutinho de Freitas. Segundo informações do Governo do Estado, a coordenadoria do idoso já foi acionada. Em entrevista esta manhã a uma rádio, Elísio afirmou ser esquizofrênico, se disse arrependido de não ter buscado tratamento antes, mas insinuou que o vídeo pode ter sido montado.

Nos vídeos, Roberto Elísio faz diversas ameaças a sua mãe e a agride com tapas, com uma pequena barra de ferro e até com o que parece ser um espremedor de alho.

Em um dos trechos ele chega a sugerir a internação da senhora – ou então sua morte. “Ou tu fica calada, ou tu vai internada. É o que eu te digo toda hora, porque tu tá insuportável, mamãe. Ninguém te aguenta”, ameaça ele, antes de agredi-la com uma pequena barra de ferro. Em outro ponto, ele diz que quer ficar sozinho na casa em que mora com a mãe. “Ninguém tá te aguentando aqui. Eu quero é ficaro sozinho, eu quero é ficar só nessa casa”, diz.

‘Melhor saída para a crise é Lula e FHC numa mesa’, defende Flávio Dino

Flávio Dino vê acordo possível entre esquerda e direita se base de Temer aceitar deixar reformas para depois de 2018.

Fonte: BBC Brasil


















Diante da possibilidade de queda do presidente Michel Temer e da profunda perda de credibilidade do sistema político, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), defende que a melhor solução para a crise é uma saída negociada pelos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, as “duas únicas lideranças nacionais”, na sua avaliação.


Ambos já articulariam nos bastidores a sucessão de Temer, mas não há informação de que tenham tido conversas diretas. A forte polarização eleitoral entre PT e PSDB parece um empecilho para um acordo, já que os dois partidos tentam sair dessa crise fortalecidos de alguma forma para a eleição de 2018.


“O único caminho que enxergo para a política é um acordo PT-PSDB, Lula e Fernando Henrique numa mesa. Neste momento de muita precarização da política, uma conversa direta seria um fato altamente positivo, uma mensagem importante de busca de recomposição da institucionalidade”, acredita Dino.


Defensor da realização de eleições diretas antecipadas, o governador opina que o cenário mais provável hoje é a queda de Temer, seguida de eleição indireta do novo presidente pelo Congresso.


Se isso ocorrer, Dino sugere que a esquerda participe da eleição indireta, negociando a suspensão das reformas trabalhista e previdenciária até a eleição de 2018, para que as urnas decidam se apoiam essas propostas.


“Só haverá eleição direta havendo mobilização popular nessa direção. A classe social dominante não quer eleição direta agora”, afirma.


Confira os principais trechos da entrevista com Dino, que antes de assumir o governo do Maranhão, foi também deputado federal e magistrado, tendo presidido a Associação dos Juízes Federais do Brasil.


BBC Brasil – A base aliada de Temer se mantém razoavelmente unida. Na sua visão, estão apenas ganhando tempo enquanto negociam uma saída, ou o senhor vê chance de o presidente concluir seu mandato?


Flávio Dino – Há muita movimentação de bastidores em busca de uma alternativa. O problema é que há muita indefinição porque os fatos políticos estão sendo produzidos de fora para dentro do sistema político (pelas investigações). O pessoal diz assim: ‘ah, o candidato na linha indireta pode ser a, b ou c’. Mas sempre tem um ponto de interrogação: ‘será que esse resiste, que esse outro resiste?’. Se não aparecer essa alternativa, aí reside o 5% de chance que ele tem de ficar.


O ideal para todo mundo do sistema político é que a solução se dê via TSE (Tribunal Superior Eleitoral, pela eventual cassação da chapa eleita em 2014, formada por Dilma Rousseff e Temer, em julgamento marcado para início de junho). Isso dá uns quinze dias mais ou menos até o julgamento, o que também contribui para essa inércia (de Temer ainda permanecer presidente).


BBC Brasil – Mas há risco de a saída do TSE ser lenta, já que cabem recursos?


Dino – Isso juridicamente, mas, politicamente, hoje ele já está por um fio. O TSE pode cortar esse fio, e aí não tem como resistir mesmo que processualmente tenha esse ou aquele recurso.


BBC Brasil – Se isso acontecer, há a discussão de o que vem depois, se seria uma eleição direta ou indireta. No caso da cassação via TSE, há uma ação no Supremo que poderia levar a eleição direta, certo?


Dino – É, há um debate jurídico que seria não pela PEC (proposta de emenda constitucional) do deputado Miro Teixeira, mas pelo próprio TSE de considerar que, no caso de anulação do mandato, deveria haver eleição direta. É uma tese jurídica boa, sustentável tecnicamente falando.


Agora, sinceramente, só haverá eleição direta havendo mobilização popular nessa direção. E esse é um ponto de interrogação muito mais do que qualquer juridiquês. Se não houver mobilização popular, é muito difícil o Congresso ou o TSE ir para esse caminho, porque se choca com o desejo meio que universal da classe política, da elite, de um certo nível de estabilidade. A classe social dominante não quer eleição direta agora.


BBC Brasil – A manifestação de quarta-feira em Brasília não pareceu tão grande a ponto de reverter esse consenso de elite que o senhor aponta, concorda?

Dino – Eu achei uma manifestação importante. Eu concordo que ela em si mesma não tem essa força de reverter a hegemonia dominante, agora temos que ver a continuidade ou não (dessa mobilização).


Acho que o efeito principal foi ampliar o isolamento do Temer, o fragilizou, sobretudo pela medida equivocada (já revogada) de convocar o Exército. Quando você vai para o extremo, é lógico que você constrói isolamento, até pelo modo como foi anunciado, muito atabalhoado, dizendo que foi pedido pelo Rodrigo Maia (presidente da Câmara), mas não foi.


BBC Brasil – A manifestação foi marcada por muita violência. Houve erros dos dois lados?


Dino – Acho que a responsabilidade principal foi dessa concepção muito cerceadora do exercício de liberdade de manifestação. Isso ficou mais evidente quando veio esse decreto desastroso, desnecessário e ilegal da convocação do Exército. É claro que depredar o patrimônio público é errado, quero deixar clara minha condenação a isso também. Mas o debate é o que gera (a violência)? O que gera é essa visão muito repressiva.


Vou dar um exemplo prático: as manifestações sempre foram na frente do gramado do Congresso. Tanto que aquele espelho d’água foi construído (em 1999) justamente para ser uma divisão entre o gramado e o prédio. Agora criaram essa moda de que não pode chegar no gramado, sem nenhuma razão. E aí você cria uma tensão, ‘daqui ninguém passa’. Pode pegar todas as fotos da história brasileira, protestos pela emenda Dante de Oliveira (em 1984 para convocar eleições), na Ditadura, tinha manifestação ali e agora não pode mais. Então, você cria uma série de protocolos, digamos, excessivos, cerceadores, que estimulam a tensão.


Se não houver uma providência política num prazo curto, a tendência é que a gente viva esse ambiente, com o suposto andamento das tais reformas, que vão acabar conduzindo a cada vez mais conflito.


BBC Brasil – Por que o senhor defende as eleições diretas?


Dino – É quase que uma saída tipicamente parlamentarista. No parlamentarismo você tem duas crises. Uma, que é apenas de governo, você resolve com um novo gabinete. Já quando você tem uma crise mais sistêmica, o que o chefe de Estado faz? Ele convoca novas eleições. A gente está numa crise bem mais aguda do que uma mera crise operacional. Então, por simetria com o que acontece no parlamentarismo, o remédio seriam de fato novas eleições, um banho de urna.


Eu pessoalmente, acho que se fosse esse o pacto, uma repactuação da política, deveria haver eleições gerais, de fio a pavio, pegar o Congresso, governadores, etc. Mas faço sempre questão de frisar, para não correr o risco de o leitor achar que minha abordagem é ingênua, estou apenas colocando o que eu acho que seria o certo. Hoje, não é o mais provável.


O mais provável é o consenso da elite que é trocar o Temer por outro que faça as reformas previdenciária e trabalhista.


BBC Brasil – Para algumas pessoas, uma eleição direta agora seria pegar um atalho fora da Constituição e enveredar para um caminho de instabilidade, abrindo espaço para eleição de um aventureiro. Como o senhor vê esses argumentos?

Dino – Em primeiro lugar, você sempre deve comparar os argumentos com a realidade. Nada é mais instável do que temos hoje. Segundo, falar em regra do jogo a esta altura? Fizeram um impeachment absurdo para colocar um governo que não se sustenta, que só fez aprofundar a crise. Esse discurso não tem base empírica.


No caso desse mecanismo das indiretas previsto pela Constituição para situação de dupla vacância (dos cargos de presidente e vice), o sistema funcionaria bem, ao meu ver, se fosse em situações normais de temperatura e pressão. Não é o caso, hoje você vive na verdade solavancos derivados da quebra da ordem constitucional (pelo impeachment de Dilma).


Acho que democrata verdadeiro concorda que a única coisa que estabiliza a política na democracia é o respeito à soberania popular.


BBC Brasil – O senhor tem defendido que Lula seja candidato em 2018. Se houver a eleição direta antecipada, considera que ele seria o melhor candidato da esquerda?


Dino – Sem dúvida. De todas as grande lideranças nacionais, é quem tem maior legitimidade para tentar reconduzir uma repactuação do país. Lula não é bom só para a esquerda, é bom para todo mundo que acredita na democracia política.


Ele pode, ao fazer um governo de diálogo como fez no passado, conduzir um caminho que não seja de confrontação, que ao meu ver foi o grande erro do Michel (Temer). O Michel veio adotar uma agenda de mais confronto e, portanto, de mais isolamento social.


Qual é o problema dele? As denúncias, a gravação, claro, e ter só 4% de aprovação. Você já pega um país dividido, polarizado, e vai para um caminho de venezualização, de radicalização. Deu no que deu.


BBC Brasil – Mas fica uma dúvida justamente sobre essa possibilidade de Lula ser uma pessoa capaz de repactuar, porque ele também tem adotado um discurso mais radical e desperta forte rejeição em parte da sociedade.



Dino – Parte minoritária (da população o rejeita). Você tem que distinguir o sentimento da população do que é sentimento das elites política e econômica.


BBC Brasil – Lula aparece liderando as pesquisas de intenção de voto, mas com altas taxas de rejeição.



Dino – É, mas em queda, numa conjuntura de muita polarização, apanhando muito. Em condições normais, essa rejeição cai. O único caminho que enxergo para a política é um acordo PT-PSDB, Lula e Fernando Henrique numa mesa. Eu já falei isso vinte vezes. De lá para cá, as coisas só pioraram. Efetivamente, com todos os seus defeitos, são os dois únicos líderes nacionais que sobraram, com autoridade política para chamar todo mundo, para reunir.


Não vejo como a política, tão debilitada hoje, gerar novas opções. Nas urnas, claro que eu, uma pessoa de esquerda, prefiro o Lula, até porque Fernando Henrique não parece disposto a disputar uma eleição direta. Não sendo o Lula, você só consegue enxergar alternativas externas à política, que são esses aventureiros tipo Doria (prefeito de São Paulo) e outros, que vão colocar o país num rumo de imprevisibilidade.


BBC Brasil – Mas no início da entrevista o senhor falou sobre como os acontecimentos desestabilizadores têm vindo de fora para dentro da política e sobre o risco de um novo presidente continuar sendo bombardeado por denúncias. Lula parece estar nessa posição.


Dino – Acho que, com respaldo popular, numa eleição direta, ele adquire musculatura e tempo suficientes para vencer isso. Não é uma análise apaixonada, porque de fato eu não sou lulista e historicamente o Lula nunca me apoiou na vida. Aliás, aqui no Maranhão, sempre foi contra mim (e aliado com o grupo adversário, do ex-presidente José Sarney).


Em uma análise objetiva, hoje, juridicamente, o que tem contra o Lula até agora é de uma fragilidade técnica abissal. ‘Ah, o apartamento era dele, o sítio não era bem dele, mas era para ser, a reforma tinha a ver com contrato da Petrobras’. Não tem uma conta, não tem um diálogo, não tem uma gravação, não tem um dinheiro, não tem nada que justifique uma condenação criminal.


Parto dessa premissa de que, uma vez eleito por voto popular em eleição direta e com apoio da sociedade, quebrando um pouco esse clima de sectarismo, processualmente as coisas caminhariam mais racionalmente.


BBC Brasil – Mas vê o risco de Sergio Moro condená-lo?


Dino – Infelizmente vejo, por esse ambiente geral criado em torno dessas acusações.


BBC Brasil – E isso poderia impedir a candidatura do Lula, ou talvez não houvesse tempo de haver a condenação em segunda instância também no caso de uma eleição antecipada?


Dino – Em condições normais não haveria tempo nem em 2018, mas a gente não vive condições normais. De fato a Justiça se politizou, se partidarizou muito, me refiro ao sistema de Justiça como um todo, abrangendo polícia, Ministério Público. Então, é muito difícil fazer análise política sem levar em conta esse ingrediente.


BBC Brasil – Notícias da imprensa já apontam que Fernando Henrique e Lula estão articulando para a sucessão de Temer, mas não teriam conversado diretamente entre si. Essa conversa direta seria importante?


Dino – Sim. Pelo que eu estou sabendo, é uma conversa entre interlocutores. Neste momento de muita precarização da política, uma conversa direta seria um fato altamente positivo, uma mensagem importante de busca de recomposição da institucionalidade. Você não tem jogo institucional no Brasil hoje: o Congresso funciona precariamente, a Presidência da República, os partidos, os próprios governadores estão muitos enfraquecidos.


BBC Brasil – Mas a disputa eleitoral entre os dois partidos parece um empecilho a isso. Perguntei ao vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman, e ele disse que essa conversa entre Fernando Henrique e Lula não seria possível porque, na visão dele, o PT só está interessado em desgastar o governo para se fortalecer para 2018. Como você vê esse empecilho?


Dino – Esse empecilho é fruto de uma visão equivocada segundo a qual alguém se salva em meio à tragédia geral. Quando na verdade, você tem que salvar o sistema político, sua credibilidade, autoridade, para aí recuperar sua operacionalidade.


BBC Brasil – Numa eleição indireta, qual seria a estratégia da esquerda?


Dino – Nós da esquerda devemos colocar dois pontos sobre a mesa. Primeiro, normalidade política até a eleição, em 2018 – acertar o calendário eleitoral e as regras de 2018. E, segundo, haver a suspensão das reformas trabalhista e previdenciária, até que o povo decida.


Vocês (referindo-se a partidos da base de Temer) defendem as reformas, ok, mas esse programa não foi votado pelo povo. Então a gente consulta (o povo), vocês vão para a urna e defendem. Se ganharem, vocês fazem.


A esquerda deveria participar da eleição no Congresso com essas condições, sem isso não faz sentido participar e legitimar esse negócio.


BBC Brasil – Que nomes poderiam emergir de um acordo desse, na hipótese de o outro lado topar esse acordo?


Dino – Claro que tenho minhas preferências, mas não posso me manifestar agora, até por questão de orientação partidária. Mas eu acho que tem aí uns três ou quatro nomes que topariam.


BBC Brasil – Mas o senhor vê a base do governo disposta a entrar num acordo desses? Parece que eles querem aprovar as reformas, não?

Dino – O plano A da direita continua sendo fazer eleição indireta e empurrar as reformas para a frente. Só que daqui a pouco os parlamentares não topam mais, porque vai ficando cada vez mais próximo da eleição de 2018 e essas reformas são muito impopulares. Então, acho que há uma chance (de acordo).


BBC Brasil – Ainda está muito incerto como seria uma eleição indireta. Qualquer um poderia ser candidato, mesmo sem ter filiação partidária?


Dino – Teria que votar uma lei (com as regras do pleito indireto), porque o Supremo, na ausência da lei sobre eleição indireta, tem entendido que se aplica o regime geral das eleições diretas, ou seja, precisa haver desincompatibilização (de cargos do Executivo, Judiciário e Ministério Público, seis meses antes), filiação partidária, etc. O Supremo já decidiu isso duas vezes em casos de eleições indiretas para governos estaduais.


De forma que o único caminho jurídico de viabilizar candidaturas de fora do sistema político, por exemplo alguém do Judiciário, seria votar uma lei no Congresso fixando os requisitos. Aí você poderia flexibilizar para, por exemplo, permitir candidatos com filiação partidária 48 horas antes (do pleito), que é uma ideia que circula. Tem gente até já escrevendo esse projeto de lei. Tem muita conversa em curso.


Agora, o Congresso só se anima a votar a lei para uma pessoa de fora concorrer se ficar claro que nenhum congressista tem condições.

A caminho do hexa, Lula quer ensinar a combater a corrupção

Em pouco mais de 13 anos de governo, foram 26 ministros envolvidos em escândalos de corrupção



Denunciado pela força-tarefa da Lava Jato pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, desta vez cometidos durante as obras no sítio em Atibaia que lhe pertence, mas não é dele, Lula tem tudo para virar réu pela sexta vez. Consumada a façanha do ainda penta, ele vai alcançar o status de hexa com que a Seleção Brasileira de Futebol continua sonhando. Em homenagem à proeza, a coluna recorda algumas façanhas que enfeitam a trajetória campeã:

Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, compraram quase 2 mil políticos e dezenas de partidos durante os governos do PT ─ graças aos bilhões de reais que ganharam do BNDES por determinação de Lula e Dilma Rousseff.

O Mensalão aconteceu no governo Lula.

O Petrolão aconteceu no governo Dilma.

A corrupção foi institucionalizada durante os governos do PT.

José Dirceu, Antonio Palocci, Guido Mantega, João Santana, Gleisi Hoffmann, Fernando Pimentel e outras celebridades do submundo do crime são coisa do PT.

Michel Temer é coisa do PT.

Em pouco mais de 13 anos no poder, o governo lulopetista teve três ministros da Fazenda. Joaquim Levy caiu fora depois de 11 meses. Antonio Palocci permanece preso em Curitiba. Guido Mantega, graças ao desempenho relatado nos depoimentos colhidos nas delações premiadas da Odebrecht e, agora, nas da JBS, pode em breve fazer companhia ao antecessor. Os sete chefes da Casa Civil estão submersos em bandalheiras. Tudo somado, já são 26 os ex-ministros envolvidos em escândalos de corrupção.

Deve ser por isso que, neste 20 de maio, durante a cerimônia de posse dos novos integrantes do diretório municipal de São Bernardo do Campo, Lula disse que “o PT pode ensinar a combater a corrupção” (assista ao vídeo abaixo). Sem dúvida. Pelo menos de corrupção ele entende como ninguém. Lula poderia começar a aula inaugural dando voz de prisão a ele mesmo.

fonte: revista veja

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Câmara municipal de Tuntum realiza audiência pública para transparência de receitas e gastos do município.

A Câmara municipal de Tuntum realiza audiência pública do primeiro biênio com nova gestão.

Durante todo o ano serão realizadas três audiências públicas nas quais serão mostrados todas as receitas e os gastos do município de Tuntum.














Principais receitas:
  • Receitas tributárias;
  • Receitas orçamentárias;
  • FPM;
  • SUS;
  • FNS;
  • CMS;
  • IPVA;
  • FNDE;
  • FUNDEB;
Na solenidade, participaram: dr. Luciano, contador; o Presidente da Câmara, Nelson Almeida (popularmente chamado de Nelson do Nanxi) e o vice-presidente, Nonato Teixeira.



Os vereadores: Ivalto Bílio, Alan Noleto, Zé do Orin, Wellinton Pessoa, Jeová Soares e Dorian Matos.


Secretários: Magno Melo, secretário da educação; Josinaldo Bílio, chefe de gabinete; Durval, secretário de articulação política e o presidente do CME, Emerson Araújo. 




 Também fizeram parte: funcionários públicos municipais, professores, direitores, técnicos, assistentes sociais, populares e imprensa.

A cerimônia visa dispor todos os dados contábeis e técnicos que indicam a importância de seus recursos com transparência.




  

terça-feira, 23 de maio de 2017

Tuntum conta com escola digna.


Nesta terça-feira (23) foi realizado, na unidade escolar CEDT (Complexo Educacional Dr. Tema), um grande evento que contou com a presença de parte do corpo educacional da cidade. Na ocasião, pela qual é apoiada pela prefeitura municipal, estiveram profissionais ligados a rede municipal de educação que visa dar abrangência ao Programa Escola Digna.Entre eles: o secretário municipal de educação, Magno Melo; professor Anderson, procurador municipal do programa; a coordenadora regional, Ana Célia; o presidente do conselho municipal de ensino, professor Emerson Araújo; secretária adjunta Francisca Carvalho; as assistentes sociais Neide Cunha e Ládia Golçalves; o coordenador geral municipal, Antônio dos Reis; a primeira dama e diretora do socorrão, Daniela Cunha; o secretário de articulação política, Josinaldo Bílio, Antônio Durval; secretário de esportes e os vereadores Alan Noleto e Joaceles Araújo.