sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Jornalista da globo comete ato racista e é afastado. Veja o vídeo!

Vídeo racista de William Waack dizendo "Não vou nem falar. É coisa de preto!"

Resultado de imagem para fotos de william vaquer

O apresentador do Jornal da Globo, atração jornalística da madrugada da emissora carioca, William Waack está afastado das suas funções e ainda pode ser demitido após cometer ato racista em 2016. Em vídeo divulgado ainda na última quarta-feira (8), um dos jornalistas mais famosos do canal aparece soltando um comentário de cunho preconceituoso ao lado do comentarista Paulo Sotero. Os dois estavam em Washington, nos Estados Unidos, cobrindo as eleições presidenciais norte-americanas. 



Informações de bastidores da Globo dão conta de que a carreira de William Waack pode ter acabado após a divulgação do vídeo. 


Ainda na noite de quarta, a emissora carioca imediatamente soltou uma nota informando que o jornalista de 65 anos não estaria mais a frente do jornalístico. Depois, ainda na quinta-feira (9), a rede de televisão informou que estava cancelando o programa Painel, do canal fechado Globo News, criado e apresentado por Waack. 

No vídeo, Waack e o comentarista Paulo Sotero estão em frente &agragrave; Casa Branca, preparando-se para entrar, quando um carro passa ao fundo e buzina. Primeiro, o jornalista xinga o motorista com palavrões em português. Depois, diz em alto e bom som que "é preto", após ter questionado o comentarista quem poderia ter dado a buzinada. Não satisfeito, Waack volta a repetir o comentário. Mesmo se ouvindo claramente o que o jornalista diz, Sotero ainda nega que tenha prestado atenção no que o ex-apresentador do Jornal da Globo afirmou. No entanto, as imagens mostram claramente que o comentarista ri da fala de Waack e depois concorda. 

Nesta sexta-feira (10), a dupla que vazou o vídeo explicou o motivo de só ter divulgado agora as imagens. O operador de VT, Diego Rocha Pereira, de 28 anos, e o designer gráfico Robson Cordeiro, de 29 anos, afirmaram que estavam com medo de serem demitidos na época. Os dois relataram também que o que mais indignou é que o restante da equipe encarou com naturalidade o comentário racista feito pelo apresentador do jornal. Agora, um ano depois e não trabalhando mais na Globo, a dupla sentiu-se livre para vazar a gravação e mostrar o crime que aconteceu nos bastidores de uma das emissoras mais importantes do país.